22/12/2016

ROSINALDO LIMA

aprenda a compor uma musica!


Essa é uma seleção de dicas e conselhos para te ajudar na hora de compor uma música. 
Devo começar pela letra ou pela melodia? 
Espero que meus anos como compositor possam te ajudar através dessas orientações práticas. 
Sempre tendo em mente que música não tem limites. 
As idéias de composição são infinitas!! 

Estude música e faça aula de pelo menos um instrumento. 
Dominando a técnica, você não fica preso a nenhuma limitação musical ao compor. 
Aqui tem uma lista de livros recomendados para você aprimorar seu conhecimento musical. 
Cada seção da música (refrão, versos, ponte, etc) deve ter suas próprias características, de forma a ficar bem definida em relação as outras, mas procure estar sempre ligado a uma idéia central. 
Não se atenha a esse conselho se você quer compor algo mais experimental/progressivo. 
Desfaça-se dos preconceitos e ouça todo tipo de música. 

Além de te inspirar, um repertório rico vai te ajudar a não se tornar repetitivo nas suas composições. 
Um bom refrão faz toda a diferença, mas bons versos também são fundamentais. 
Às vezes bate aquela dúvida: será que essa música já existe? 
Por isso é bom mostrar sua composição para algumas pessoas e ver se elas já conhecem aquilo de algum lugar. 
Se um trecho da composição estiver muito igual a uma música conhecida, tente mudar até virar uma coisa nova. 

Porque se ficar muito igual, as pessoas vão perceber e você vai perder pontos com seus ouvintes. 
O mesmo se aplica à letra. 
Não há uma maneira certa de começar uma composição. 
Então sempre improvise algumas músicas, mesmo que instrumentais, e sempre escreva os seus pensamentos, em poemas e brainstorms de ideias. 
Qualquer dessas pequenas produções podem ser o começo de uma composição completa. 
Compor uma música não é mera questão de inspiração. 
Exige tempo, trabalho e muita tentativa e erro. 
Experimente compor em instrumentos diferentes. 

Qualquer coisa funciona como fonte de inspiração: vivências do cotidiano, literatura, cinema, textos bíblicos, outras músicas, etc. 
Crie um tema musical (riff), e vá tocando ele e inventando variações. 
Só nessa brincadeira podem surgir todas as partes de uma música. 
Pense nisso: se a música não funciona em uma rodinha de violão em um acampamento, talvez a composição não seja tão boa. 
Sabe quando a idéia musical está na sua cabeça mas você não consegue executar no instrumento? 
Tente e experimente que uma hora sai. 
O gravador é o melhor amigo do compositor. 

Pode ser até um celular, mas tenha sempre algo de fácil alcance para você registrar suas idéias de composição. 
Quantas músicas geniais os compositores do mundo já não devem ter perdido, por mero esquecimento? 
Tenha também um registro escrito da composição, em cifra e/ou partitura. 
Não tenha medo/preguiça de mudar uma composição aparentemente pronta. 
Afinal, se não der certo, você pode voltar a deixar a música do jeito que era antes. 
Ao compor em grupo, aprenda a gostar das idéias dos outros. 
Se você não ficar preso apenas à suas próprias idéias, a música pode se tornar mais rica. 
Considere cada aspecto da composição: melodia, harmonia, ritmo, público-alvo. 
Às vezes você olha a maneira que você está compondo, e acha que está agindo de maneira “pouco artística”, por planejar demais. 

É interessante até levantar quais são os pontos fracos e fortes da música, pedindo opinião a pessoas entendidas e leigas. 
Ao final, é bom registrar sua composição para evitar plágios. 
É possível registrá-la como música, através da partitura, ou como poema, pela letra (mais fácil). 
Lembre-se: compor é uma arte de experimentação e dedicação. 
Crie, ouse, e nunca pare de compor. 
O mundo da música agradecerá pelas suas futuras composições! 
Essas dicas fazem parte do site http://compormusica.com . 
Dê uma passada lá para ver mais dicas. 
Essa é uma seleção de dicas e conselhos para te ajudar na hora de compor uma música. 
Devo começar pela letra ou pela melodia? 

Espero que meus anos como compositor possam te ajudar através dessas orientações práticas. 
Sempre tendo em mente que música não tem limites. 
Estude música e faça aula de pelo menos um instrumento. 
Dominando a técnica, você não fica preso a nenhuma limitação musical ao compor. 
Cada seção da música (refrão, versos, ponte, etc) deve ter suas próprias características, de forma a ficar bem definida em relação as outras, mas procure estar sempre ligado a uma idéia central. 
Não se atenha a esse conselho se você quer compor algo mais experimental/progressivo. 
Desfaça-se dos preconceitos e ouça todo tipo de música. 
Além de te inspirar, um repertório rico vai te ajudar a não se tornar repetitivo nas suas composições. 
Um bom refrão faz toda a diferença, mas bons versos também são fundamentais. 
Às vezes bate aquela dúvida: será que essa música já existe? 
Por isso é bom mostrar sua composição para algumas pessoas e ver se elas já conhecem aquilo de algum lugar. 
Se um trecho da composição estiver muito igual a uma música conhecida, tente mudar até virar uma coisa nova. 
Porque se ficar muito igual, as pessoas vão perceber e você vai perder pontos com seus ouvintes. 
Não há uma maneira certa de começar uma composição. 
Então sempre improvise algumas músicas, mesmo que instrumentais, e sempre escreva os seus pensamentos, em poemas e brainstorms de ideias.

Qualquer dessas pequenas produções podem ser o começo de uma composição completa. 
Compor uma música não é mera questão de inspiração. 
Exige tempo, trabalho e muita tentativa e erro. 
Qualquer coisa funciona como fonte de inspiração: vivências do cotidiano, literatura, cinema, textos bíblicos, outras músicas, etc. 
Crie um tema musical (riff), e vá tocando ele e inventando variações. 
Só nessa brincadeira podem surgir todas as partes de uma música. 
Pense nisso: se a música não funciona em uma rodinha de violão em um acampamento, talvez a composição não seja tão boa. 
Sabe quando a idéia musical está na sua cabeça mas você não consegue executar no instrumento? 
O gravador é o melhor amigo do compositor. 
Pode ser até um celular, mas tenha sempre algo de fácil alcance para você registrar suas idéias de composição. 
Quantas músicas geniais os compositores do mundo já não devem ter perdido, por mero esquecimento? 

Tenha também um registro escrito da composição, em cifra e/ou partitura. 
Não tenha medo/preguiça de mudar uma composição aparentemente pronta. 
Afinal, se não der certo, você pode voltar a deixar a música do jeito que era antes. 
Ao compor em grupo, aprenda a gostar das idéias dos outros. 
Se você não ficar preso apenas à suas próprias idéias, a música pode se tornar mais rica. 
Considere cada aspecto da composição: melodia, harmonia, ritmo, público-alvo. 
Às vezes você olha a maneira que você está compondo, e acha que está agindo de maneira “pouco artística”, por planejar demais. 
É interessante até levantar quais são os pontos fracos e fortes da música, pedindo opinião a pessoas entendidas e leigas. 
Ao final, é bom registrar sua composição para evitar plágios. 
É possível registrá-la como música, através da partitura, ou como poema, pela letra (mais fácil). 
Lembre-se: compor é uma arte de experimentação e dedicação. 
Crie, ouse, e nunca pare de compor. 

Por jornal 21 brasil